32ª SESSÃO DO LEGISLATIVO DE ASSIS BRASIL

por Antonia Nascimento publicado 20/11/2019 14h50, última modificação 22/11/2019 11h34
Fique por dentro dos discursos dos Vereadores!

1 LÁZARO MANCHINERI  (PC do B)

Falou das dificuldades enfrentadas no ramal do Icuriã por conta das chuvas, além de ter muitas pontes esculhambadas, também falou que com a situação os toyoteiros muitas vezes não podem passar. Pediu que o Executivo olhe com um olhar especial, porque pode acontecer algum acidente, principalmente nas pontes que estão ruins e escorregadias. Disse que da Primavera até o Icuriã já tá começando a ter muitos buracos, os toyoteiros tem medo de ir sozinhos porque pode acontecer algum problema. Mudando de assunto, relembrou que o Vereador Wendell havia comentado sobre alguns indígenas em frente ao churrasquinho da Bete, usando drogas e furtando. Então entrou em contato com uma representante da FUNAI em Rio Branco, e ela estará reunindo os caciques, para solicitar que eles conversem com o povo indígena para tentar fazer com que eles saiam dessa vida. No que destacou que muitos saem da aldeia e entram na vida das drogas, alcoolismo, prostituição, etc. Depois disse que a lingua portuguesa está na rádio, na TV, nos livros então os indígenas tem que entender e falar, então se imergem nesse mundo e acabam por adquirir a cultura dos brancos, tanto a parte boa como a ruim. No que solicitou das autoridades que sejam feitos livros em língua de índio para que eles possam se fortalecer como nativos e não esquecer sua língua e costume. Depois fez críticas a grandes autoridades, destacando que as pessoas que roubam pouco, pegam o nome de ladrão, já quem rouba muito não é chamado de ladrão. Mudando de assunto, relatou que passava em frente ao mercadinho da feira, e foi chamado a atenção por um cidadão que disse que ele estava de olhos fechados, porque as ruas de Assis Brasil estão em condições ruins. No que ele respondeu, que a culpa não era dele, mas de quem eles colocaram no poder. Finalizou dizendo que a terra indígena Mamoadate é composta por cerca de 1200 indígenas, e que esse povo está triste porque o Prefeito não tem olhado para eles, no que lembrou que apenas o ex Prefeito Manoel olhou com atenção para os indígenas. Disse que não será mais candidato a Vereador.

 

2 ANTONIO CAMELO (PP)

Falou que foi procurado por conselheiro, reivindicando seu direito pela lei que ele pode ganhar até 70% do salário do Vereador, nisto exclamou que o Vereador pode ganhar até 70% do salário do Deputado, mas nunca foi conseguido porque o recurso do município não dá. O orçamento é curto. Disse que estão com o orçamento da prefeitura, com os subsídios dos Conselheiros, mas não podem fazer modificação direta porque mexe nas finanças da Prefeitura. No que citou como exemplo o projeto da Vereadora Toinha, que não pode ser votado porque mexia no orçamento da Prefeitura.  Depois afirmouque se o Prefeito fizer Lei que modifique e aumente o salário dos conselheiros, seu voto será favorável. Falou sobre o aumento do salário dos professores, mas destacou que os garis também deveriam ter seu salário aumentado porque ganham apenas um salário mínimo, trabalham muito e ganham pouco. Então tem que defender todas as classes e não apenas uma. Falou sobre as condições da Prefeitura, destacando que agora ela nem pode mais contratar pessoa física, tem que ser terceirizado. Disse que recebeu reclamação de pessoa que estava sendo prejudicada no posto Antônio Alves Cavalcante, nisto disse que irá analisar a situação e então ver se pode tomar as providências. Mudando de pauta, destacou que já foi barrado na Secretaria de Saúde porque não estava com documento e não podia entrar e naquele dia agiu de forma cautelosa e a situação foi posteriormente resolvida então agora nenhum vereador é barrado. Finalizou falando sobre o posto de saúde Antônio Alves Cavalcante que o Secretário não deixa os funcionários estacionarem na garagem.

 

3 ANTONIA CAVALCANTE (PC do B)

Falou sobre a reforma da Previdência Estadual, que estava tramitando na Câmara dos Deputados Estaduais que gerou a paralização de toda a categoria da educação, saúde e todo o funcionalismo público porque esses projetos retiravam vários benefícios dos trabalhadores. No que destacou que pela luta dos sindicatos das categorias e Deputados, continua na constituinte do Estado, o direito à licença prêmio, sexta parte, auxílio funeral e outros benefícios mais. Disse que conversando com o Deputado Estadual, Jenilson, foi informada que esses são três pontos que já foram retirados do Projeto que estava na Assembleia, mas ainda tem mais 3 benefícios que estão sendo discutidos, tais como tirar a Lei Nalu, aumentar os anos para aposentadoria, o aposentado pagar 7,5% de imposto após estar aposentado, que hoje não se paga. Então dia 23 está para ser votado o Projeto e está previsto uma paralização geral, segundo os sindicatos. Mudando de assunto, contou que recebeu a ligação de um senhor que enviou a foto de um cidadão, pedindo socorro, porque o cidadão estava no fundo de uma rede, não comia mais, nem andava. O cidadão se chama Raimundo, mora na zona rural a umas 3 horas do Xapurí, no que ela se dispôs a tomar providências e de fato foi na Assistência Social, conversou com a pessoa responsável, que solicitou o endereço e disse que iria ver como ele estava, no entanto não foi. Mas para a graça de Deus, apareceu um pastor que o levou para Brasileia, aonde foi atendido e levado para Rio Branco. Nisto reclamou que o poder público de Assis Brasil, no tocante à saúde, está uma calamidade. Depois disse que voltou a falar com a Assistente Social e ela disse que o senhor já estava sendo atendido. No que imediatamente solicitou que a mesma ligasse para ver aonde estava o paciente e ela não ligou e sequer sabia que o senhor já estava em Rio Branco, pois se ele fosse esperar pelo município ele já tinha morrido. Ainda sobre a saúde, relatou que foi até o hospital saber porque um paciente não estava internado, e ficou sabendo que no hospital não tinha médico desde segunda feira. Ela e o Vereador Piel conversaram com o Dorismar que repassou a situação. Depois conversou com a enfermeira e ela disse que o senhor não podia ficar internado no hospital porque ele tinha tuberculose e não havia sala de isolamento para ele, então podia contaminar os demais pacientes. No que a Vereadora questionou se ela achava certo deixar o senhor em casa, com oito filhos e demais parentes vulneráveis a contrair tuberculose. Nisto criticou enunciando que em casa ele pode ficar, mas no hospital não. No demais, fez reclamações sobre não ter médico no posto Antonio Alves, mesmo após o município ter sido avisado que no hospital não tinha médico de plantão. Disse que no Terezinha tinha um médico do quartel atendendo e havia muitos pacientes, mas foram atendidos apenas 12. No que ressaltou que a saúde estadual e municipal está muito crítica. Dentre outras coisas, questionou para onde foram os 14 milhões de reais que tinham nos cofres da saúde, perguntando porque não foi investido em médicos para os hospitais e municípios. Depois disse que Governo acabou de fazer novo empréstimo aumentando a dívida do estado, sendo que governos anteriores também já o haviam feito. Disse que Governo do Estado decretou calamidade financeira e o que mais lhe chamou a atenção foi no que ele se baseou, que foi porque ele baixou os impostos dos grandes empresários e agora quem tem que pagar a culpa são os pequenos empresários e cidadãos comuns. Nisto questionou porque foi baixado o imposto, se estava em calamidade, o fato é que ele deveria buscar meios de aumentar a arrecadação e não baixar impostos. Mudando de assunto, corrigiu o Vereador Antônio Camelo dizendo que é a garagem do Gildo Ferreira que está proibida pelo Secretário, de o médico ou outros funcionários estacionarem seus veículos. E reclamou dizendo que não está certa essa proibição, porque não tem que esperar a ambulância chegar, porque ninguém nem sabe quando ela chegará. Finalizou dizendo que conversou com o Prefeito sobre o Projeto da educação o pagamento do piso salarial para os professores provisórios e ele garantiu que estará encaminhando à Casa, o projeto para apreciação e votação.

 

4 CLÁUDIA GONÇALVES (PSD)

Parabenizou o senhor João doca porque esse mês completou 80 anos. Agradeceu ao público presente na sessão destacando que é muito bom ter pessoas para ouvir seus pronunciamentos. Relatou que ficou triste porque o Jorge Capivara, estava na frente do núcleo falando de política, dizendo que Assis Brasil estava abandonada pois os Vereadores não fazem nada. No que citou quis respondê-lo, mas calou porque sabe que ele nunca foi assistir uma sessão, e ele acha que o papel do Vereador é pegar inchada e sair tapando os buracos. Mas o papel do Vereador é fiscalizar, fazer indicações, entre outras coisas. Mas que muitas vezes as cobranças dos Vereadores não são atendidas. Então fica triste quando ouve falar bando de políticos ladrão, porque não é assim, nem todos estão inseridos nessa classe. Disse que é igual a batalha dos professores, que estavam com medo de perderem seus benefícios, direitos que foram garantidos ao longo de muito tempo. Destacou que muitos professores passaram por sala de aula, muitos deram o seu sangue, ficaram de cabelos brancos trabalhando em sala de aula, enquanto outros nunca pegaram num giz, então do jeito que tem muitos que suaram, batalharam, que adoeceram e viveram dia e noite na escola, tem muitos que nem sabe o que foi dar aula, e já estão se aposentando ou se aposentou sem ter feito de fato o seu ofício, então de todos os lados tem injustiça. Justificou que não estava dizendo que os professores não são merecedores, mas citou apenas para exemplificar que da mesma forma como chegam e dizem que os políticos são uns bandos de ladrão, também acontece com a classe de professores. Continuou falando sobre a educação, destacando que Tchero, Cláudia e Gilda são sim a favor dos professores provisórios, citou exemplo de quando chegou PL que não beneficiava o provisório, então eles fizeram documento devolvendo pra Prefeitura ajeitar e só votaram quando foi concertado. Destacou que os professores provisórios a maioria são da zona rural, e os que mais sofrem muito e são mais que merecedores de ter seus salários melhorados. Dentre outras coisas, falou que falta pouco para Assis Brasil se tornar uma cidade bonita, apenas fazer limpeza, tapar buracos, fazer iluminação, etc. Finalizou reclamando que Assis Brasil vem vivendo de promessas e precisa que o milagre aconteça.

 

5 WENDELL GONÇALVES (PL)

Parabenizou os colegas pelos pronunciamentos. Falou que teve conversou com o Lázaro, sobre a situação de alguns indígenas que perto da Bete e do Osvaldo que corta cabelos, fazendo uso de drogas e álcool, bem como também há prostituição, fator que é muito preocupante e precisa de ser tomada uma iniciativa. Mudando de assunto, falou sobre a visita do Ministro da Justiça no Estado do Acre, Sérgio Moro, aonde fez a entrega de 120 viaturas e 1 helicóptero, no que destacou que não vai resolver a criminalidade no Estado, mas já é um pontapé inicial. Disse que o helicóptero doado havia sido preso trafegando drogas e agora vai ser usado para o bem. Referiu-se as falas da Vereadora Toinha, quando criticou o empréstimo feito pelo Governador, no que alfinetou dizendo que espera que seja usado para o bem, e não aconteça como aconteceu em gestões passadas. Depois falou da vinda do Governador à Assis Brasil, aonde disse que iria mandar muitas coisas, que até o momento ainda não chegou. Mas destacou ver que o Estado está querendo se aplumar, então ainda tem esperanças. Mudando de pauta, falou sobre a reforma da Previdência, destacando que era algo necessário a ser feito, mas passou muitos governos que não tiveram coragem de fazê-la, então Gladson teve, e terá que segurar as consequências. No demais, parabenizou a Vereadora Gilda pelo seu aniversário, dizendo que tem muito apresso pela sua pessoa e que aprendeu a gostar dela do jeito que ela é, nisto desejou felicidades e que possa viver bem, sempre.  Finalizou relatando sobre, um rapaz que se suicidou em Brasileia, que era coordenador do posto da Emater, no sessenta e oito, disse que o conhecia a muito tempo, então foi um choque, saber que ele se suicidou, depressão não é fácil, problemas familiares, tudo acarretou e ele chegou a esse ponto. Sente muito e pede a Deus que o tenha em um bom lugar e lhe dê a salvação porque ele tinha um coração muito bom e era muito humano com quem precisava.

6 IVELINA MARQUES (PT)

Destacou o trabalho feito na ladeira do Cascata, que há anos cobravam sobre isso, disse que o trabalho feito está bom, mas acredita que não vai durar o inverno todo no entanto por enquanto está suprindo, está dando de passar com carro. Sobre o salário dos conselheiros, disse que no ano passado buscou a melhoria tanto da infraestrutura quanto do salário dos conselheiros, mas os conselheiros atuais não se interessaram e sequer pegaram um contracheque para ela ver quanto era o bruto e a partir daí, correr atrás de melhorias. Então devido a falta de interesse, deixou para aguardar a nova Legislatura para tentar de novo. No que destacou que a Lei do Conselheiro já está feita, não precisa vir nada para a Câmara. Nisto corrigiu os Vereadores Antônio Camelo e Antonia Cavalcante, citando que consta na Lei que o salário do conselheiro tem que ser no mínimo 50% do salário dos Vereadores e no máximo 100%, ou seja que pode chegar no teto dos Vereadores, só não pode ser abaixo, mas hoje estão recebendo abaixo de 50%. No que destacou que o correto para os conselheiros receberem no ano de 2020 seria de no mínimo R$ 1.750,00. No tocante informou que segundo Antonio Camelo ou Gilda, o reajuste proposto para 2020 está para R$ 1.500,00, no que disse para os conselheiros calcularem a perda que terão nos quatro anos de mandatos. Concluiu a pauta dizendo que a única coisa a ser feita é garantir que a Lei se cumpra, e se o Prefeito não quiser pagar, tem que ir ao Ministério Público e ver o que o Promotor vai dizer.  Sobre a questão do Secretário de Saúde, disse que gostaria que os cidadãos de Assis Brasil, pudessem ajudar, trazendo os fatos e acontecimentos para os vereadores. Falou sobre o requerimento de sua autoria que foi aprovado na presente sessão, convocando o Secretário de Saúde para fazer esclarecimentos na tribuna da Casa Legislativa, nisto solicitou união para planejarem os questionamentos que farão ao Secretário. Nisto destacou que a principal questão é em relação a conduta dele quanto profissional sendo gestor da pasta e não da saúde em sí. Finalizou enfatizando que estará fazendo ofício solicitando a escala de médicos do hospital no mês de Novembro, para averiguar se está de todo descoberto, e posteriormente tomar iniciativa cabíveis, tais como ministério público, porque o que não pode é o município ficar sem médico. Destacou que uma alternativa seria o Estado colocar médico de outro município para fazer plantão em Assis Brasil.

 

7 GILDA ALMEIDA (PL)

Parabenizou os conselheiros, e disse que segurem o coração e tenham calma, porque já vão assumir em breve e o trabalho é árduo. Se quiserem fazer o trabalho bem feito, terão problemas com as famílias e se não fizerem bem feito, terão problema com a justiça. É uma faca de dois gumes e a Câmara está disponível para ajudar no que for preciso e possível. Disse que não é fácil o trabalho de Vereador e nem será fácil o dos conselheiros, sabe que muita gente vai dizer que eles não fazem nada, mas disse para não se preocuparem.  Continuando disse que para tudo a população vem atrás do Vereador, para tratar sobre educação, assistência social, saúde, etc. Que se o bolsa família da pessoa der errado eles procuram o Vereador; Se o INSS der errado, eles procuram os Vereadores, então o Vereador tem que estar disponíveis 24horas. Mudando de assunto, agradeceu ao Vereador Tchero, pelas felicitações na tribuna e na rede social, e destacou ter aprendido a gostar dele do jeito que ele é, assim como de todos os demais. Dentre outros assuntos, relatou que foi procurada por uma pessoa a qual reclamou sobre problemas que envolviam o recebimento do auxilio doença do marido e seu bolsa família. Outra pauta, foi sobre o salário dos conselheiros, disse que está disponível para ajudar no que for necessário, mas destacou que não é fácil, porque aas condições do município estão precárias. Cada um dos vereadores está do lado dos conselheiros porque sabe da importância do trabalho deles para a sociedade. Depois falou que conversando com o Prefeito e disse que o pouco que o Vice prefeito fez na ladeira fez a diferença. O povo viu e comentou, é um buraco a menos que as pessoas vão encontrar na rua, e que se o prefeito continuar fazendo um pouco aqui e outro ali, tem certeza que vai dar uma diferença. Finalizou alfinetando a Vereadora Toinha, dizendo que ainda tem esperança o Governo Gladson faça muito pelo Estado e pelo município, porque o Governador está em seu primeiro ano de mandato, ainda restam quase 3 anos e ele pode fazer muita coisa e fazer a diferença em relação aos governos anteriores.

 

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis.